Facebook-icon  Twitter-icon

 

Questões discutidas em oficina sobre Aids têm ligação com pesquisa realizada pelo Nesp/ UnB


Flávia Teixeira, professora da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e parceira da pesquisa “Análise do acesso e da qualidade da atenção integral à saúde da população LGBT no SUS” – realizada pelo Núcleo de Estudos em Saúde Pública da Universidade de Brasília (Nesp/UnB) e o Ministério da Saúde –, participou da Oficina sobre estratégias de intervenção junto a jovens gays, homens que fazem sexo com homens (HSH) e travesti como coordenadora do programa “Em cima do Salto”, que atende travestis e transexuais em Uberlândia-MG.

 

 

 

 DSC0031

Coordenadora do Programa Em cima do Salto - UFU/MG, Flávia Teixeira integra a equipe de pesquisadores do Nesp/UnB no trabalho "Análise do acesso e da qualidade da atenção integral à saúde da população LGBT no SUS". Foto: Márcia Rodrigues.

 

A pesquisadora explicou que as discussões da oficina são de fundamental importância para o estudo, pois o que tem a ver com Aids, tem a ver também, com acesso e qualidade do serviço. “Se quisermos pensar em adesão ao tratamento para Aids, por exemplo, precisamos pensar no acesso e na qualidade do serviço: Quais são as barreiras que as pessoas enfrentam ao procurar o serviço de saúde para aderir ao tratamento?”, ressaltou.

 

O evento, realizado Ministério da Saúde por intermédio do Departamento de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) Aids e Hepatites Virais. em parceria com a Área de Prevenção e Articulação Social, ocorreu em Brasília nos dias 6 e 7 de agosto deste ano e o objetivo era construir estratégias e diálogo com a população jovem para o enfrentamento da epidemia da Aids.

 


Equipe de comunicação Saúde LGBT

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

(55++61) 3340-6863

 
observarh2
 
obteia
 
 
 
 
saudelgbt2
  
oiapss2

Notícias