Facebook-icon  Twitter-icon

 

Por Waléria Fortes

O Núcleo de Estudos em Saúde Pública do Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares da Universidade de Brasília (NESP/UnB) cria o projeto “Acervo dos Sanitaristas” com o intuito de recuperar, organizar e disponibilizar, em repositório digital, acervos doados pelos sanitaristas ao núcleo. O projeto, iniciativa do NESP em parceria com o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (CONASEMS) e da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) tem por objetivo dar seguimento ao processo de recuperação do acervo de grandes nomes do Movimento da Reforma Sanitária Brasileira e de relevância para a construção do Sistema Único de Saúde (SUS).

O NESP sempre se preocupou com a preservação da história da Saúde Pública Brasileira e em especial pela história da Reforma Sanitária, dos sanitaristas e militantes da saúde engajados desde o inicio da luta.

O projeto de recuperação do acervo foi criado em 2011, quando o NESP recebeu a doação do acervo do médico sanitarista Eduardo Jorge, e agora será retomado com o material dos professores Gilson Carvalho, Guido Carvalho, José Ênio Duarte, Nelson Rodrigues dos Santos, entre outros. Alguns desses materiais foram doados ainda em vida pelos próprios sanitaristas, e outra parte por familiares e entes. Todo o acervo, os projetos e as histórias do SUS estão abrigados na Biblioteca Eleutério Rodrigues Neto.

A equipe criou um cronograma, após levantamento feito das tipologias presentes nas caixas, as quais se encontram em fase de seleção, conforme política de informação planejada. Posteriormente, terá início o processo técnico e a classificação. O grupo tem como produto desse projeto a construção de uma plataforma virtual que disponibilizará os documentos digitalizados. Todo esse material contribuirá para a formação de novos gestores, sanitaristas e profissionais da saúde. Essa equipe multidisciplinar é formada por uma arquivologista (Priscila Medeiros), três biblioteconomistas (Josina Vieira, Luciana Santos e Thais Monique), profissionais de Saúde Coletiva (Raelma Paz, Natália Fernandes, Priscila Brito e Elizabeth Alves) e de Tecnologia da Informação (Júlio Cesar e Guilherme Mendonça), um web designer (Tiago Botelho) e estagiários de História e Museologia.

O trabalho será iniciado com o acervo do prof. Gilson Carvalho, que tomou a iniciativa de doar todo material ao NESP antes de falecer em 2014.

 
observarh2
 
obteia
 
 
 
 
saudelgbt2
  
oiapss2

Notícias