O cuidado em saúde mental tem diversas barreiras para seu enfrentamento que tem se dado em dimensões sócio-político-institucionais e não obstante, este combate também envolve relações étnico/raciais violentas. Partindo do princípio de que à população negra sempre teve seus corpos aprisionados à determinadas formas de confinamento, como o cárcere, os hospícios, a pauperização e a morte, é necessário ampliar o debate acerca do acesso e do impacto do racismo na saúde mental. Portanto, a participação do Observatório tem como objetivo principal trazer a temática do enfrentamento do racismo institucional em diversos âmbitos, também nos âmbitos interpessoais ou internalizados. Com a participação de usuários e profissionais de saúde integrados na mesma atividade intitulada "Oficina de Sensibilização: Representatividade de Identidades Negras".

As atividades da semana são abertas à comunidade e contam com a participação desta para a transformação dos estigmas sociais que discriminam os usuários/pacientes do sistema de saúde mental. Vem compor essa semana de luta!