Facebook-icon  Twitter-icon

 

 
Na tarde da última quarta-feira (30), o Núcleo de Estudos em Saúde Pública, do Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares da Universidade de Brasília (NESP/CEAM/UnB), instalou em sua sede o Observatório Iberoamericano de Políticas e Sistemas de Saúde (OIPSS). O Observatório é uma parceria entre o NESP, Ministério da Saúde, por intermédio da Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa, Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS) e Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (CONASEMS).

A coordenadora do Núcleo, Profa. Dra. Maria Fátima de Sousa, destacou que o NESP não está apenas abrigando fisicamente o espaço do Observatório, mas socializando a produção de estudos. Durante a cerimônia, ela frisou a importância da instalação do espaço físico do Observatório para a gestão estratégica e participativa da saúde pública do país. Para o presidente do CONASEMS, Dr. Antonio Carlos F. Nardi, o propósito desses estudos é sistematizar planos de governo para os novos gestores municipais de saúde, disponibilizando como subsídios, indicadores de saúde, independente do porte do município.

Segundo o representante do CONASS, Fernando Cupertino, “o Observatório é estratégico para lutar pelo aprimoramento do sistema publico de saúde”. A parceria entre a academia e o serviço foi um dos pontos destacados durante o evento. Para o CONASS, “esta parceria, no OIPSS, gera um espaço de reflexão das políticas e sistemas da saúde”, reiterou Cupertino.

“A sistematização do conhecimento dos tomadores de decisão que une a academia, a sociedade e os gestores, garantirá a sustentabilidade dos sistemas universais da saúde e a expansão desses sistemas”, completou o secretário de Gestão Estratégica e Participativa do Ministério da Saúde, Prof. Dr. Luiz Odorico Monteiro de Andrade.

Para a mestranda em Ciências da Saúde, Adriana Modesto, os estudantes, professores e pesquisadores poderão oferecer subsídios do olhar acadêmico aos gestores da saúde do país. “A academia poderá entrar em contato com as peculiaridades dos sistemas de saúde do Brasil e de outros países”, refletiu. Segundo o professor da UnB, Dr. Fernando Ferreira Carneiro, a parceria entre a gestão de políticas públicas de saúde, a academia e o Ministério da Saúde, fortalecerá o campo da saúde coletiva e trará uma unidade de saúde pública de qualidade, que esteja em sintonia com as questões sociais.
 
Texto: Gabriella da Costa
 
observarh2
 
obteia
 
 
 
 
saudelgbt2
  
oiapss2

Notícias